Acesso ao Portal Paulinas

Ciberteologia
Revista de Teologia & Cultura

Edição nº 56 – Ano XIII – Setembro/Dezembro 2017 – ISSN: 1809-2888

Como fazer teologia hoje

Como fazer teologia é uma obra clássica do pensamento teológico contemporâneo que se insere de modo muito significativo no bojo das discussões sobre a hermenêutica teológica e os desafios inerentes do fazer teologia na atualidade. Visando a uma maior fidelidade ao seu impulso, o objetivo da obra é analisar a fé, nossa capacidade de crer, enquanto possibilidade de levar a uma interpretação criativa do cristianismo, ante os novos desafios e as críticas tecidas ao universo religioso e simbólico.

Claude Geffré nasceu em Niort (França), em 1926, e faleceu em fevereiro de 2017. Frade dominicano, comprometido com a verdade e a busca do saber, em sua trajetória acadêmica destacou-se como um dos mais originais e instigantes pensadores católicos, dedicando como docente boa parte de sua vida ao labor teológico, especialmente nas Faculdades Dominicanas de Saulchoir (1957-1968) e no Instituto Católico de Paris (1967-1996). Proeminente pensador, formou gerações de teólogos e participou ativamente na renovação da teologia depois do Concílio Vaticano II, deixando uma vasta obra caracterizada pela profecia em tempos de pluralismo religioso.

A obra escrita originalmente em francês e traduzida para vários idiomas está estruturada em 14 capítulos, organizados em 3 partes, escritos em 321 páginas. Na primeira parte o autor faz recorte mais metodológico, evidenciando o papel hermenêutico e epistemológico da teologia. Na segunda parte, a opção é por relacionar a partir das Escrituras a Revelação cristã e a história, linguagens e interpretação. Na última parte, a proposta é pensar a identidade cristã em face das reinterpretações do cristianismo, a partir de práticas concretas das Igrejas, consideradas perante a condição histórica, social e cultural, advogando em favor das liberdades, dos direitos e da consciência.

Correlacionando a interpretação da tradição cristã e a interpretação de nossa experiência humana, o texto nos faz pensar atualmente sobre a autenticidade e a extensão de nossos pressupostos em meio às provocações da contemporaneidade em suas mais variadas dimensões. Com argumentos sólidos e bem construídos, o autor, no frescor de suas laudas, nos leva a compreender melhor a identidade cristã, a considerar melhor as críticas, a superar uma fé ingênua e imatura, criando assim uma nova consciência histórica, levando em consideração os “sinais dos tempos”.

Em uma sociedade marcada por inúmeras transformações sociais, políticas, culturais e especialmente religiosas, a obra desafia teólogos e cristãos a redescobrirem o papel hermenêutico e interpretativo da teologia, sua capacidade de produzir novas linguagens e sentido. Como fazer teologia hoje é o esforço de um desejo de devolvermos na teologia aquilo que lhe é mais próprio: a capacidade de revelar o Mistério, de interpretá-lo e ressignificá-lo à luz da vida, da história, da existência humana, superando todo tipo de preconceito, ideologias e ilusões.

Interpretar, revisitar, compreender, dialogar, refletir são apresentados pelo autor como sinais, caminhos, por onde o labor teológico hodierno deve passar e seguir. Eis o desafio lançado pela obra! Produzir um conhecimento teológico que responda e ilumine as novas demandas e questões da sociedade, que crie novas figuras históricas e práticas inéditas. Enfim, uma teologia que conecte vida e fé, evangelização e sociedade, que seja dialogal e criativa, capaz de suscitar novidades, esperanças, fomentar projetos comuns, que promovam a paz e a solidariedade.

Resenha da obra: GEFFRÉ, C. Como fazer teologia hoje: hermenêutica teológica. Tradução: Benôni Lemos. São Paulo: Paulinas, 1989. 321 p. ISBN 85-05-00951-7.

Por: Vitor Hugo Lourenço – Doutorando em Teologia (PUCPR).